A metro

E lá vou eu ao mercado de Estarreja apenas para acompanhar uma amiga que procurava tecidos e claro, quem não resiste sou eu! Lá volto eu com umas coisas que precisava para o atelier Libelinha Design® e o resto de uma peça com um metro de tecido.


Desta vez já estava decidido o que iria fazer.


Umas calças, pois por mais que eu use jeans o que eu gosto mesmo são de calças largas e confortáveis.


Assim com um ar fresco para aqueles dias bem quentes de Verão.


Um miminho de mim para mim…


Porque eu também mereço!

Camisa

Estou a tirar um curso de Modelista de Vestuário. Ando completamente fascinada com o que aprendo por lá!

Aprendo a fazer os moldes base através de fórmulas matemáticas, muito desenho técnico… Escalar desde o tamanho mais pequeno ao maior. 

Depois vem a transformação… Pegar num molde base e transformar no modelo que queremos e a partir daí criar o molde, parte por parte… Escolher o tecido… Cortar… E montar a peça toda.

Compreender cada curva do corpo para que a peça caia na perfeição!

  
Ainda com muitas instruções e muita paciência nasceu esta camisa. Sei que está longe da perfeição mas estou orgulhosa deste meu projecto.

E vocês, o que acham?

Chiça, c’a frio!

Hoje diz que nevou em todo o lado e caiu granizo mesmo aqui ao lado. Eu já não me lembrava de ter tido os pés assim tão gelados como hoje. A verdade é que andamos mal habituados com este tempo quente… Diz também que o mês de Dezembro foi o mais quente de há 80 anos.


.

Rotinas

As “férias” terminaram, as aulas começaram e com elas uma dúzia de rotinas… É certo que precisamos delas mas também sabe bem fazer algo diferente. E logo para começar… Porque não voltar para casa por um caminho diferente? E porque não fazer mesmo uma paragem só para apreciar a paisagem.

  
Fotografar cores neste dia tão cinzento.

  
Enquanto me distraia com a paisagem este “pequeno” pássaro assusta-se comigo e salta para a água.

  
Estava distraída com esta gaivota que caminhava pela Ria de Aveiro.

  
Fico maravilhada com este flamingo, já os tinha visto mas muito ao longe.

  
Pela primeira vez, vejo um tão perto.

  

De seguida rumo a casa. No caminho abrando, indecisa se fotografava a Ponte da Varela ou não… Enquanto a observava, pousa ao meu lado uma ave de rapina. Pareceu-me um mocho e preparava-me para o registar quando voltou a levantar voo. Senti-me previligiada por o ter tido tão perto e observado aqueles olhos amarelos enormes… Lindo!

  
E para terminar o registo do sol a rasgar as teimosas nuvens cinzentas.

As últimas de 2015


Para não me esquecer da água salgada que me acompanhou neste ano todo… Tanto em suor, como em lágrimas ou simplesmente em mergulhos no mar para me purificar o espírito. As ondas e umas investidas no surf.


Um ano que me pareceu passar rápido demais, com muitos altos e baixos… Mas também vitórias.


O ano marcado pela liberdade… Liberdade das escolhas… Liberdade das decisões tomadas por mim!


Um ano também marcado pelo amor… Pelo amor em todas as suas formas! Amor por mim, amor pela família, amor pelos amigos, amor pela vida e pelo mundo em que vivemos ❤️

Salty Water


O Domingo apeteceu-me uma breve caminhada à beira mar.


Ouvir as ondas a bater nas pedras do paredão.


Sentir o cheiro a maresia.


Ver as gaivotas a fintar as ondas.


Sentir os salpicos do mar na cara.


E enquanto caminhava fui recolhendo o lixo que encontrava pela frente. É nisto que o projecto “2 minute beach clean” se baseia… Ir recolhendo o que encontras na tua caminhada sem te desviares, pode parecer pouco mas já é muito, visto que por norma ninguém apanha nada. Por pouco que pareça já é alguma coisa. Uma praia limpa, é um oceano sem plásticos… É um mundo melhor!

E se tirares foto do lixo que apanhares publicares no Instagram com a hashtag #2minutebeachclean, além de promoveres e dares o exemplo de uma iniciativa como esta poderás habilitar-te a um mimo dos seus patrocinadores. Procura saber mais sobre esta iniciativa através da conta deles no Instagram @2minutebeachclean.

Caminhada

Já algum tempo que não fazia as minhas caminhadas… Aulas, trabalho e animações têm ocupado a maior parte do meu tempo. 

Ontem lá fui eu de máquina em punho, foram só 6Km que o corpo já não está habituado.

  
Num ritmo não muito acelerado mas com algumas paragens para as fotos.

  
Morar nestas paisagens é morar no paraíso.

  
Adoro este pedaço de terra entre a Ria de Aveiro e o mar.

  
Colorido pela simplicidade da vida que se vive por cá.

  
Por vezes longe de tudo e ao mesmo tempo tão perto…

  
Faz-me bem respirar esta natureza.

  
Este azul infinito do céu…

  
Dois cães a dormir num descampado… Provavelmente sem dono mas bem tratados. 
Estes momentos só meus e da natureza que me envolve… Faz-me sentir viva… Cheira-me a liberdade!

Fotografia

– “Tu que adoras fotografar, precisas é de uma boa máquina fotográfica.”

– “Ohhhh, não preciso nada… Tenho uma e nem uso. O iPhone mesmo pré-histórico tem mais qualidade que a máquina e o IPad serve bem para as fotografias que tiro. Além do mais elas são enormes para se carregarem sempre e eu gosto de a qualquer momento fotografar.”

TUNGA!

  
E agora?

Agora não a largo… Experiências atrás de experiências, numa tentativa de perceber como funciona.

  
Levei-a logo comigo para a consoada em casa da mamã Libelinha.

 
Na volta a casa, parar o carro para registar momentos como este.

  

Perceber que consigo registar a lua cheia sem parecer um pontinho brilhante como pela lente dos smartgadgets deixa-me fascinada.

  
Nem os gatos escaparam à experiência.

  
Com um flash que faz parecer estar ás escuras (as luzes de casa estavam acesas).

  
Conseguir fotografar o mar em todo o seu esplendor sem sair de casa. Simplesmente brutal!
Obrigada ❤️ Adorei o presente, foi mesmo uma surpresa!